O ensino de lutas/artes marciais em configuração remota: notas de uma trajetóriadidático-metodológica na formação docente em Educação Física

Contenido principal del artículo

Gustavo Almeida Soares
Fábio Pinto Gonçalves dos Reis
Kleber Tüxen Carneiro

Resumen





O artigo retrata uma investigação cujo objetivo consistiu em perscrutar as implicações do trabalho pedagógico desenvolvido num componente curricular intitulado: ‘Pedagogia das Lutas’, no segundo semestre de 2020, elaborado em conformação remota, em uma instituição de ensino superior federal, no estado de Minas Gerais/BR. Tratou-se de uma pesquisa de natureza qualitativa. O grupo amostral contou com vinte e oito aprendizes, sendo quatorze homens e o mesmo número de mulheres. Em termos de procedimentos analíticos foram escrutinados os materiais empíricos produzidos por ocasião das aulas. Para examiná-los empregou-se a análise de conteúdo, enquanto técnica. Os resultados expuseram êxito em relação aos aportes teóricos selecionados à disciplina, com realce para os conteúdos correlatos e àqueles que forneceram subsídio epistemológico para o desenvolvimento do ensino de Lutas nas diferentes etapas da educação básica. Outro destaque referiu-se ao modo de condução dos encontros, em especial, quando houve atividades “práticas”. Em termos de limites a ênfase recaiu na “falta de contato corporal”, configurando-se como o grande desafio para o ensino de Lutas/Artes Marciais na escola, em razão da conformação remota.





Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Soares, G. A., Reis, F. P. G. dos, & Carneiro, K. T. (2022). O ensino de lutas/artes marciais em configuração remota: notas de uma trajetóriadidático-metodológica na formação docente em Educação Física . Educación Física Y Ciencia, 24(1), e212. https://doi.org/10.24215/23142561e212
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Gustavo Almeida Soares, Docente na Educação Básica em Minas Gerais

Graduado em Educação Física e Mestre em Educação, pela Universidade Federal de Lavras - UFLA. 

Fábio Pinto Gonçalves dos Reis, Universidade Federal de Lavras

Graduado em Educação Física pela Universidade de Taubaté (1996), Mestrado em Educação pela Universidade São Francisco-USF (2005) e Doutorado pela Universidade de São Paulo-USP (2010). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal de Lavras - UFLA, no Departamento de Educação Física, bem como no Programa de Pós-Graduação Scricto Sensu do Departamento de Educação. Integra os grupos de Pesquisa: " Relações entre filosofia e educação para a sexualidade na contemporaneidade: a problemática da formação docente" e o (GEFORDEF) - Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Formação Docente em Educação Física.

Kleber Tüxen Carneiro, Universidade Federal de Lavra

Graduado em Educação Física e Pedagogia, especialista em Pedagogia do Movimento, com Mestrado e Doutorado em Educação Escolar pela FCLAr-Unesp. No momento desenvolve estágio de Pós-Doutoramento em Educação junto a Faculdade de Educação da Unicamp. Realiza pesquisas com enfoque epistemológico sob os seguintes eixos temáticos: Teoria do Jogo; Estudos sobre Memória e constituição da Cultura Lúdica; Aspectos Didático do ensino; Estudos sobre a(s) Infância(s) e a Educação Infantil e Pesquisas históricas em Educação/Educação Física. Atualmente é docente na Universidade Federal de Lavras (UFLA) no Departamento de Educação Física, tanto quanto no Programa de Pós Graduação em Educação na mesma instituição. Participa como pesquisador junto ao GEFORDEF - Grupo de Estudo/Pesquisa sobre Formação Docente em Educação Física.

Citas

Alencar, Y. O., Silva, L. H., Lavoura, T. N., e Drigo, A. J. (2015). As lutas no ambiente escolar: uma proposta de prática pedagógica. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 23(3), 53-63. Recuperado de https://portalrevistas.ucb.br/index.php/ RBCM/article/view/5092

Altmann, H. (1998). Rompendo fronteiras de gênero: marias (e) homens na educação física. 1998. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação). Curso de pós-graduação em Educação Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, MG.

Awi, F. (2012). Filho teu não foge à luta. São Paulo: Intrínseca.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Betti, M. (1998). A janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus.

Bracht, V. (1995). Cultura corporal, cultura de movimento ou cultura corporal de movimento. En M. Souza Júnior, Educação Física Escolar: teoria e política curricular, saberes escolares e proposta pedagógica (pp. 97-106). Recife: EDUPE.

Bracht, V. (2000). Educação física & ciência: cenas de um casamento (in) feliz. Revista brasileira de ciências do esporte, 22(1), 53-63.

Brasil. (2020). Ministério da Educação. Medida Provisória nº 934, de 1 de abril de 2020. Brasília, DF.

Bortoni-Ricardo, S. M. (2011). O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. 2ed. São Paulo: Parábola.

Carlomagno, M., e Rocha, L. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7(1). doi:http://dx.doi.org/10.5380/recp.v7i1.45771

Carneiro, K. T. (2012). O jogo na educação física escolar: as concepções atuais dos professores. São Paulo: Phorte.

Carneiro, K. T., Assis, E. R., e Bronzatto, M. (2016). Da necessidade à negação: a percepção da crise epistemológica na educação física a partir da compreensão docente. Revista brasileira de ciência e movimento. 24(4), 129-142. doi: http://dx.doi.org/10.18511/rbcm.v24i4.6825

Carneiro, K. T., Camargo, R. L., Bronzatto, M., e Assis, E. R. de. (2017). A terceira margem do rio: uma perspectiva equilibrada da competitividade no âmbito do ensino da educação física. Corpoconsciência, 21(2), 80-92. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/4964.

Castro, R. P. (2014). Experiência e constituição de sujeitosdocentes: relações de gênero, sexualidades e formação em Pedagogia. 2014. 258 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

Charlot, B. (2008). O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, 17(30), 17-31.

Chartier, R. (1991). O mundo como representação. Estudos Avançados, 5(11), 173-191. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8601.

Chizzotti, A. (2003). Uma pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), 221-236. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=37416210.

Confederação brasileira de jiu-jitsu (2021). Participação feminina. Disponível em: https://cbjj.com.br/events/results, Acesso em: 25/01/2021.

Coll, C., Pozo, J. I., Sarabia, B., y Walls, E. (1998). Os conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Tradução Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed.

Correia, W. R., y Franchini, E (2010). Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Journal of Physical Education, 16(1), 1-9. doi: https://doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n1p01

Darido, S. C. (1999). Educação física na escola: questões e reflexões. Araras, SP: Topázio.

Darido, S. C. (2012). Diferentes concepções sobre o papel da educação física na escola. En Universidade Estadual Paulista. Prograd. Caderno de formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Demo, P. (2004). Pesquisa participante: saber pensar e intervir. Brasília: Líber Livro.

Ferreira, H. S. (2006). As lutas na Educação Física Escolar. Revista de Educação Física, 135, 36-44. Recuperado de https:// universoeducar.files.wordpress.com/2011/06/ lutas.pdf

Figueiredo, Z. (2007). Formação docente em Educação Física: experiências sociais e relação com o saber. Movimento (ESEFID/UFRGS), 10(1), 89-111. doi:https://doi.org/10.22456/1982-8918.2827

Freire, P. (2002). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Galatti, L. Breda, M., Scaglia, A., y Paes, R. (2007). Pedagogia do esporte e competição infantil: análise e proposições a partir do Karatê de Contato. Movimento e Percepção, 8(11), 169 - 185. Disponível em: http://ferramentas.unipinhal.edu.br/movimentoepercepcao/viewarticle.php?id=136. Acesso em: 15 08 2021.

Goellner, S. V. (2005). Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades . Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 19(2), 143-151. https://doi.org/10.1590/S1807-55092005000200005.

Gomes, M. S. P. (2008). Procedimentos Pedagógicos para o ensino de lutas: contextos e possibilidades. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Gomes, M., Morato, M., Duarte, E., y Almeida, J. (2010). Ensino das lutas: dos princípios condicionais aos grupos situacionais. Movimento (ESEFID/UFRGS), 16(2), 207-227. doi:https://doi.org/10.22456/1982-8918.9743

Lazzarotti Filho, A., Silva, A. M., y Pires, G. L. (2013). Saberes e práticas corporais na formação de professores de Educação Física na modalidade à distância. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 20(3), 701 - 715. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-32892013000300013

Lise, R. S., Cavichiolli, F. R., Gil, J. F. L. (2022) A configuração do conteúdo Lutas na Educação Física escolar análise dos contextos espanhol e brasileiro. Retos: nuevas tendencias en educación física, deporte y recreación, 44(2), 846-857.

Louro, G. L. (1994). Uma leitura da história da educação sob a perspectiva do gênero. Projeto História, 11, 31-46.

Louro, G. L. (1997). Gênero, sexualidade e educação. Petrópolis: Vozes.

Louro, G. L. (2000). Currículo, género e sexualidade. Lisboa: Porto Editora.

Lovisolo, H. (1998). Pós-graduações e educação física: paradoxos, tensões e diálogos. Revista brasileira de ciências do esporte. 20(1), 11-21.

Lüdke, H. A. L. M., y André, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Mauss, M. (1974). As técnicas corporais. En M. Mauss, Sociologia e Antropologia. Trad. Mauro W. B. de Almeida. São Paulo, EPU/EDUSP.

Nascimento, P. R. B., y Almeida, L. (2007). A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Movimento, 13(03), 91-110. doi:https://doi.org/10.22456/1982-8918.23488

Pereira, Á. S., Reis, F. P. G. dos, y Carneiro, K. T. (2020). Do ambiente de jogo à perspectiva rizomática: conjecturas para o ensino das lutas/artes marciais na educação física escolar. Corpoconsciência, 24(2), 208-225. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10777

Pereira, A. S, Reis, F. P. G. dos, Carneiro, K. T., y Scaglia, A. J. (2021). Pedagogia das Lutas/Artes Marciais: do ambiente de jogo à sistematização do ensino. Curitiba-PR: Brasil Publishing.

Pimentel, F. C., Filho, A. L., Hungaro, E. M., y Mascarenhas, F. (2014). Formação de professores de Educação Física a distância: a experiência da Universidade de Brasília. Motrivivência,26(43), 55-69. doi: https://doi.org/10.5007/2175-8042.2014v26n43p55

Pires, V., do Nascimento, J. V., Farias, G. O., y Suzuki, C. C. M. (2017). Identidade docente e educação física: Um estudo de revisão sistemática. Revista Portuguesa De Educação, 30(1), 35–60. https://doi.org/10.21814/rpe.7415

Quaranta, A., y Pires, G. (2013). Histórias de vida e experiências docentes no estágio supervisionado de licenciandos em educação física - modalidade ead. Movimento (ESEFID/UFRGS), 19(2), 185-205. doi:https://doi.org/10.22456/1982-8918.23488

Rabelo, E. H. (1998) Avaliação: novos tempos e novas práticas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Resende, T. P. (2018). Representações discentes sobre a inserção e permanência de homens no curso de Pedagogia da UFLA: entre desafios, resistências e rotas alternativas. 2018. 129 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Rezer, R., Nascimento, J. V. do, & Fensterseifer, P. E. (2011). Um diálogo com diferentes “formas-de-ser” da educação física contemporânea – duas teses (não) conclusivas. Pensar a Prática, 14(2). https://doi.org/10.5216/rpp.v14i2.9794.

Reverdito, R. S., Scaglia, A. J., Silva, S. A. D. da, Gomes, T. M. R., Pesuto, C. de L., y Baccarelli, W. (2008). Competições escolares: reflexão e ação em pedagogia do esporte para fazer a diferença na escola. Pensar a Prática, 11(1), 37–45. https://doi.org/10.5216/rpp.v11i1.1207

Rufino, L. G. B. (2012). A Pedagogia das Lutas: caminhos e possibilidades. Jundiaí: Paco Editorial.

Rufino, L. G. B. (2018). Metodologia do ensino de lutas na escola. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A.

Rufino, L. G. B., & Darido, S. C. (2013). Possíveis diálogos entre a educação física escolar e o conteúdo das lutas na perspectiva da cultura corporal. Conexões, 11(1), 144–170. https://doi.org/10.20396/conex.v11i1.8637635.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., y Lucio, M. del P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Zabala, A. (1998). A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed.

World Health Organisation - WHO. 2020. Rolling updates on coronavirus disease (COVID-19). Disponível em: https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/events-as-they-happen.