Brincar na pandemia: implicações para a Educação Física a partir do inventário da cultura lúdica

Contenido principal del artículo

Débora Jaqueline Farias Fabiani
Luis Felipe Nogueira Silva
Alberto Lobato Góes Júnior
João Bosco Gomes Lima Júnior
Alcides José Scaglia

Resumen

A pesquisa teve como objetivo descrever a cultura lúdica de crianças entre quatro e 11 anos, desenvolvida no ambiente doméstico, durante a pandemia de Coronavírus, e refletir sobre os impactos desse inventário na Educação Física escolar. Para tal aplicamos um questionário de forma online, seguindo a técnica de amostragem por conveniência e bola de neve. Participaram do estudo 611 adultos que convivem com crianças entre quatro e 11 anos, os quais responderam questões sobre elementos da cultura lúdica: parceiros, espaço, tempo e inventário de brincadeiras. Os dados foram analisados e apresentados por meio de estatística descritiva (frequência absoluta e relativa) e para comparar as frequências entre os grupos etários utilizamos o teste de Qui-Quadrado (P<0,05). Os resultados apontam que o inventário dos jogos é diversificado, a maioria das crianças brinca mais tempo sozinha e utiliza o espaço interno da casa. Diferenças significativas entre os grupos etários foram encontradas no tempo destinado ao brincar, sendo que o grupo das crianças mais velhas brinca menos horas que os demais. Concluímos, portanto, que a cultura lúdica, enquanto co-construção sociocultural, foi afetada pelo contexto da pandemia, o que pode acarretar possíveis implicações para o campo da Educação Física, especialmente a escolar.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Fabiani, D. J. F. ., Silva, L. F. N., Góes Júnior, A. L., Lima Júnior, J. B. G., & Scaglia, A. J. . (2021). Brincar na pandemia: implicações para a Educação Física a partir do inventário da cultura lúdica. Educación Física Y Ciencia, 23(4), e197. https://doi.org/10.24215/23142561e197
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Débora Jaqueline Farias Fabiani, Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Licenciada, Bacharela e Mestra em Educação Física e Especialista em Educação de Crianças e Pedagogia da Infância pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
Licenciada em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Doutoranda em Educação Física e Sociedade na FEF/UNICAMP e integrante do Laboratório de
Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE) da FCA/UNICAMP. Tem experiência nos campos da Educação Física e Pedagogia, desenvolvendo estudos, projetos e pesquisas nas
áreas de: Educação Física escolar, Jogo, Pedagogia do Jogo e Pedagogia da Luta. Atualmente é docente na educação infantil e educação não formal na DEdIC/UNICAMP e
no curso de Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário de Paulínia (UNIFACP).

Luis Felipe Nogueira Silva, Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Bacharel em Ciências do Esporte, pela Universidade Estadual de Campinas. Mestre em Educação Física e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas. Doutorando em Educação Física e Sociedade pela Universidade Estadual de Campinas. Membro do Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE), ligado à Universidade Estadual de Campinas. Possui como linha investigava a epistemologia da prática pedagógica no contexto esportivo e questões didático-metodológicas voltadas ao ensino do futebol.

Alberto Lobato Góes Júnior, Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Mestrando em Educação Física e Sociedade pela Faculdade de Educação Física (FEF) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Graduado em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM); membro do Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE), vinculado à Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

João Bosco Gomes Lima Júnior, Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Mestrando em Educação Física e Sociedade pela Faculdade de Educação Física (FEF) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Graduado em Educação Física (Licenciatura) pela Faculdade de Educação Física e Fisioterapia (FEFF) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM); membro do Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE), vinculado à Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Alcides José Scaglia, Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte (LEPE). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Livre Docente em Pedagogia do Esporte e Pedagogia do Jogo pela Universidade Estadual de Campinas (2019), doutor em Pedagogia do Movimento pela Universidade Estadual de Campinas (2003), mestre em Pedagogia do Esporte pela Universidade Estadual de Campinas (1999), Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1995) e bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (1995). Tem experiência na área de Educação Física e Esportes, desenvolvendo estudos, projetos e pesquisas nas áreas da: Educação Física escolar, Jogo e Pedagogia do Esporte, com ênfase em metodologia de ensino-aprendizagem-treinamento dos jogos coletivos de invasão, futebol da iniciação ao treinamento e pedagogia do jogo. Atualmente é docente na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA-UNICAMP) no curso de Ciências do Esporte da UNICAMP, corresponsável pelas pesquisas do LEPE (Laboratório de Estudos em Pedagogia do Esporte), líder do grupo de pesquisa LEPE-FUT. Docente pleno no programa de pós-graduação, mestrado e doutorado da Faculdade de Educação Física (FEF) da UNICAMP

Citas

Araújo, L. C. M. (2020). Ressignificando a concepção de cuidar, educar e brincar na educação infantil em tempos de pandemia. Anais VII CONEDU. Campina Grande: Realize Editora Recuperado de https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/69508

Borba, A. M. (2008). Culturas da infância nos espaços-tempos do brincar: estratégias de participação e construção da ordem social em um grupo de crianças de 4-6 anos. Momento - Diálogos Em Educação, 18(1), 35–50. Recuperado de https://periodicos.furg.br/momento/article/view/749

Brasil (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil (2005). Lei nº 11.114, de 16 de maio de 2005. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11114.htm

Bronfenbrenner, U. (2002). A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artmed.

Brougère, G. (1998). A criança e a cultura lúdica. In: Kishimoto, T. M. (Ed.). O brincar e suas teorias (pp. 19-32). São Paulo: Cengage Learning.

Brougère, G. (2010). Brinquedo e cultura. (8ª ed.). São Paulo: Cortez.

Buss-Simão, M., & Lessa, J. S. (2020). Um olhar para o(s) corpo(s) das crianças em tempos de pandemia. Zero-a-Seis, 22, n. Especial, 1420-1445. https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22nespp1420

Caillois, R. (2017). Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis: Vozes.

Carneiro, K. T., Assis, E. R., Bronzatto, M., & Camargo, R. L. (2018). A Presença do jogo na infância de octogenários e nonagenários. R. Educ. Públ., 27(66), 815-838. https://doi.org/10.29286/rep.v27i66.3755

Carvalho, A. M., Alves, M. M. F. & Gomes, P. L. D. (2005). Brincar e educação: concepções e possibilidades. Psicologia em estudo, 10(2), 217-226.

CVI. (2021). Mortes e casos de coronavírus nos estados. G1 - São Paulo. Recuperado de https://especiais.g1.globo.com/bemestar/coronavirus/estados-brasil-mortes-casos-media-movel/

Dutra, J. L. C., Carvalho, N. C. C., & Saraiva, T. A. R. (2020). Os efeitos da pandemia de COVID-19 sobre a saúde mental das crianças. Pedagogia em Ação, 13(1), 293-301. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/pedagogiacao/article/view/23772

Fabiani, D. J. F. (2016). O jogo no horário livre: a Educação Física na Educação não formal. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Fabiani, D. J. F., & Scaglia, A. J. (2018). O inventário da cultura lúdica: os espaços, os materiais e os jogos desenvolvidos pelas crianças no horário livre, Ludicamente, 7 (14), 1-22. Recuperado de https://publicaciones.sociales.uba.ar/index.php/ludicamente/article/view/4355

Fabiani, D. J. F., & Scaglia, A. J. (2020). Pedagogia do jogo: ensino, vivência e aprendizagem do brincar na educação. Corpoconsciência, 24(2), 103-117. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10281

Freire, J. B. (2002). O jogo: entre o riso e o choro. Campinas: Autores Associados.

Freire, J. B. (2011). Pedagogia do futebol. (3ª ed.). Campinas: Autores Associados.

Freire, J. B.; Scaglia, A. J. (2010). Educação como prática corporal. (2ª ed.) São Paulo: Scipione.

Friedmann, A. (2020). A vez e a voz das crianças: escutas antropológicas e poéticas das infâncias. São Paulo: Panda Books.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Horn, C. I; Hattge, M. D.; & Schwertner S. F. (2020). Oitentena: brincando de salvar o mundo do coronavírus. In: Notas sobre o brincar: experiências na constituição de uma brinquedoteca. (pp. 116-124). Recuperado de https://issuu.com/zmultieditora/docs/notas_sobre_o_brincar_zmultieditora/s/11829115

Huizinga, J. (2019). Homo ludens. (9ª ed. rev. e atual.). São Paulo: Perspectiva.

Jorosky, N. H., & Barros, F. C. O. M. (2020) Covid-19 na voz das crianças. ClimaCom, 18(7), 1-17. Recuperado de http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/covid-19-na-voz-das-criancas-impactos-e-desafiosnarda-helena-jorosky-e-flavia-cristina-oliveira-murbach-de-barros

JHU CSSE COVID-19 Dashboard (2021). COVID-19 Map. Recuperado de https://coronavirus.jhu.edu/map.htm

Kishimoto, T. M. (2016). O jogo e a educação infantil. (Ed. rev.). São Paulo: Cengage Learning.

Lima, S. D., & Meirelles, M. C. B. (2020). O brincar em tempos de distanciamento social: o que aprendemos com as crianças pela lente sociologia da infância? Pedagógica, 22, 1-21. http://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5790

Lira, A. C. M., Dominico, E., Johann, M. M, & Nunes, M. A. (2021). Infâncias confinadas: a educação como direito das crianças em tempos de pandemia. Educação em Revista, 22, 59-76. https://doi.org/10.36311/2236-5192.2021.v22nesp.p59-76

Maia, M. (2020). A construção de memórias afetivas em tempo de pandemia. Práticas em Educação Infantil, 5(6), 156-170. Recuperado de https://www.cp2.g12.br/ojs/index.php/praticasei/article/view/2919/1840

Paiva, E. D, Silva, L. R, Machado, M. E. D, Aguiar, R. C. B, Garcia, K. R. S., & Acioly P. G. M. (2021). Comportamento infantil durante o distanciamento social na pandemia de COVID-19 Rev Bras Enferm. 74(Suppl 1):e20200762. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0762

Sá, C. S. C., Pombo, A., Luz, C., Rodrigues, L. P., & Cordovil, R. (2020). Distanciamento social COVID-19 no Brasil: efeitos sobre a rotina de atividade física de família com as crianças. Revista Paulista de Pediatria, 39:e2020159. http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/2021/39/2020159.

Sarmento, M. J. (2004). As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: Sarmento, M. J., & Cerisara, A. B. (Ed.) Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação (pp. 9-34). Porto: Asa.

Sartori, G. A., & Alves, F. D. (2021). Jogos e brincadeiras no horário livre: processos educativos em construção. In: Vieira, R., Marques, J. C., Silva, P., Vieira, A. M., & Margarido, C. Matos, R. (Ed.). Livro de Atas: 8ª Conferência de Mediação Intercultural e Intervenção - ócio, jogos e brincadeira: aprendizagem e mediação intelectual. (pp. 70-76). Leiria: CICS.NOVA.IPLeiria e ESECS.Politécnico de Leiria.

Scaglia, A. J. (2005). Jogo: um sistema complexo. In: Freire, J. B. S., & Venâncio, S. O jogo dentro e fora da escola. (pp. 37-69). Campinas: Autores Associados.

Scaglia, A. J., Reverdito, R. S., Leonardo, L., & Lizana, C. J. R. (2013). O ensino dos jogos esportivos coletivos: as competências essenciais e a lógica do jogo em meio ao processo organizacional sistêmico. Movimento, Porto Alegre, 19(4), 227-249. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/37893

Scaglia, A. J., Reverdito, R. S., Santos, M. V. R., & Galatti, L. R.(2015).Processo organizacional sistêmico, a pedagogia do jogo e a complexidade estrutural dos jogos esportivos coletivos: uma revisão conceitual. In: Lemos, K. L. M., Greco, P. J., & Morales, J. C. P. (Ed.) Anais 5. Congresso Internacional dos Jogos Desportivos. (pp. 43-61). Belo Horizonte: EEFFTO/UFMG.

Scaglia, A. J., & Fabiani, D. J. F. (2017). Do jogo à pedagogia do jogo: o processo de constituição da ciência In: Nóbrega, T. P. M., & Moreira, W. W. Ser Professor(a) Universitário(a): o sensível, o inteligível e a motricidade. (pp. 254-278). Natal: IFRN.

Scaglia, A. J. (2017). Pedagogia do jogo: o processo organizacional dos jogos esportivos coletivos enquanto modelo metodológico para o ensino. Revista portuguesa de ciências do desporto, S1A, 27–38. Recuperado de https://rpcd.fade.up.pt/_arquivo/artigos_soltos/2017-S1A/1-02.pdf

Scaglia, A. J., Fabiani, D. J. F., & Godoy, L. B. (2020). Dos jogos tradicionais às técnicas corporais: um estudo a partir das relações entre jogo e cultura. Corpoconsciência, 24(2), 187-207. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/10780

Scaglia, A. J., Pereira, A. S., Reis, F. P. G., & Carneiro, K. T. (2021). Pedagogia das lutas/artes marciais: do ambiente de jogo à sistematização do ensino. Curitiba: Brasil Publishing.

Seixas, A. A. C., Becker, B., & Bichara, I. D. (2012). Reprodução Interpretativa e Cultura de Pares nos Grupos de Brincadeira da Ilha dos Frades/BA. Psico, 43(4), 541-551. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/10260

Silva, L. F. N., Leonardo, L., & Scaglia, A. J. (2021). Epistemologia da prática na educação física e esporte: mapeamento a partir de um instrumento metodológico. Lecturas: Educación Fisica e Deportes, 25(274), 145-163. https://doi.org/10.46642/efd.v25i274.2344

Silva, L. F. N., Santos, G. F., Servadio, N. C., Tamashiro, L. I., & Scaglia, A. J. (2021). Problematizando a masculinidade hegemônica no ensino/treino do futebol: relato de um projeto socio-esportivo liderado por uma entidade estudantil. Caderno de Educação Física e Esportes, 19(2), 1-7. https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n2.27249

Soares, C. L., Taffarel C., Varjal, E., Castellani Filho, L., Escobar, M. O. & Bracht, V. (2009). Metodologia do ensino de Educação Física. 2. ed. rev. São Paulo: Cortez.

Spolaor, G. da C., Sousa, G. R. de, Grillo, R. de M., & Prodócimo, E. (2019). "Prô, quando vamos brincar?" o recreio na escola de tempo integral". Ludicamente, 8(15). Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7879801

Tanaka, D. D., Coffani, M. C. R. S., & Gomes, C. F. (2018). Tempo/espaço do brincar: rotinas pedagógicas das aulas de educação física no ensino fundamental I. Kinesis, 36(2), 92-101. https://doi.org/10.5902/2316546433928

Vigotski, L. S. (2014). Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: Vigotski, L. S, Luria, A. R., & Leontiev, A. N. (Ed.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. (13ª ed.) (pp. 103-117). São Paulo: Ícone.

Vigotski , L. S. (2018). Imaginação e criação na infância. São Paulo: Expressão Popular.

Vigotski , L. S. (2021). Psicologia, educação e desenvolvimento: escritos de Vigotski. São Paulo: Expressão Popular.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22(44), 203-220. https://doi.org/10.20396/tematicas.v22i44.10977

Zaim-de-Melo, R., & Golin, C. H. (2019). Entre o tradicional e o eletrônico: os jogos e brincadeiras de estudantes em Corumbá-MS. In: Linhares, W. L. (Ed.). Ciências do esporte e educação física:uma nova agenda para a emancipação (pp. 69-75). Ponta Grossa: Atena.